Blogs da Biblioteconomia

30 11 2009

Blog A Informação reuniu endereços de diversos blogs da nossa área:

 

 

Anúncios




Quadro de pessoal em Biblioteca

17 10 2009

Artigo muito bom e pode nos auxiliar em algumas questões.

PADRÕES MÍNIMOS DE RECURSOS HUMANOS PARA SISTEMA DE BIBLIOTECAS E ARQUIVOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

 

Resumo: Apresenta o estudo realizado pelo Grupo Assessor Técnico de Recursos Humanos do Núcleo de Documentação: Sistemas de Bibliotecas e Arquivos da Universidade Federal Fluminense, visando garantir a qualidade de serviços desenvolvidos por cada unidade de informação. O trabalho foi desenvolvido de acordo com as seguintes etapas: a) análise da literatura e definição da metodologia adotada; b) definição das variáveis do estudo; c)categorização das bibliotecas através da análise das variáveis: acervo, circulação, freqüência, usuário em potencial; serviços e produtos de informação; d) determinação do padrão mínimo de pessoal para cada categoria de biblioteca; e) avaliação da situação de recursos humanos do Sistema segundo o padrão estabelecido. O estudo possibilitou uma avaliação quantitativa dos recursos humanos, servindo como subsídio para atender à demanda de pessoal nas bibliotecas, através de uma política de distribuição de recursos humanos.





DIGITALIZAÇÃO

16 10 2009
No manuseamento de obras raras
Biblioteca Nacional desaconselha uso de aparelhos de digitalização automática

Dois aparelhos de digitalização automática de documentos estão disponíveis no mercado português mas a Biblioteca Nacional considera desaconselhável a utilização de equipamentos automáticos no manuseamento de obras raras.

Depois de ter apresentado, em Maio, o BookScan APT 2400, destinado a formatos standard e que permite digitalizar até 2400 páginas por hora, a empresa Meiostec disponibiliza, a partir desta semana, o SkyView, máquina pensada para grandes formatos.

Segundo a Meiostec, os dois equipamentos permitem dar resposta “às necessidades actuais dos arquivos digitais”, uma vez que as imagens obtidas “podem ser convertidas num microfilme de alta qualidade”.

Sobre a eventual aplicação dos equipamentos a processos de digitalização de larga escala, o administrador da Meiostec, Luís Pereira, afirmou que foram já estabelecidos contactos com a Torre do Tombo e que existem pequenas bibliotecas a planear quotizar-se para adquirir o BookScan, que depois usarão de forma partilhada.

Porém, tendo em conta que ambos os equipamentos funcionam com um grau de intervenção humana reduzido, operando de forma quase automática, há quem expresse receio pelo contacto robotizado com as obras.

Helena Patrício, directora de Serviços de Sistemas de Informação da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), onde se insere o Serviço de Gestão de Conteúdos Digitais, afirmou à Lusa ter conhecimento das máquinas mas não existir qualquer contacto estabelecido com a Meiostec para as adquirir ou requisitar os seus serviços.

De acordo com a responsável, “neste momento, em que não está a decorrer nenhum projecto com financiamento externo, as actividades de digitalização na Biblioteca Nacional são realizadas por recursos humanos internos, com equipamento adquirido pela Biblioteca”.

Além disso, “a experiência da BNP, e a de outras bibliotecas com fundos patrimoniais, desaconselha a utilização de equipamentos automáticos para a digitalização de obras raras, geralmente frágeis, que são a prioridade do programa de digitalização da BNP”, explicou ainda a responsável.

A directora de Serviços de Sistemas de Informação adiantou que, mesmo as empresas a quem a Biblioteca por vezes adquire serviços de digitalização, “recorrem à utilização de equipamentos manuais para a digitalização de obras cuja antiguidade ou valor tornam arriscado o manuseamento robotizado”.

Como nos próximos anos continuará a ser prioritária a digitalização de obras das colecções especiais da BNP, “cujos documentos exigem, na sua maioria, um manuseamento não automático”, a Biblioteca Nacional “não tenciona, para já, investir na aquisição de equipamentos robotizados de digitalização”, assegurou Helena Patrício à Lusa.

FONTE: Última Hora





A questão da informação

12 10 2009

Ricardo Mendes Junior wants to share “A questão da Informação « Aldobarreto’s Blog”

A questão da Informação « Aldobarreto’s BlogBookmark: http://aldobarreto.wordpress.com/2009/10/01/a-questao-da-informacao/
Ricardo Mendes Junior’s notes: artigo

You can find more of Ricardo Mendes Junior’s bookmarks at
http://delicious.com/mendesjr

 

FONTE: Blog – Gestão da Informação em Ciência e Tecnologia





Portal do Arquivísta

11 10 2009

O Portal do Arquivista é editado por Ricardo Sodré Andrade, Bacharel em Arquivologia pelo Instituto de Ciência da Informação da UFBA, mestrando em Ciência da Informação (UFBA) e atualmente Assessor de Tecnologia do Arquivo Público da Bahia, instituição vinculada à Fundação Pedro Calmon.

A idéia do portal é a de reunir conteúdos diversos sobre a Arquivologia, suas disciplinas e até mesmo informações interessantes de outras áreas do conhecimento, como a Ciência da Informação, Biblioteconomia e Informática aplicada.

O Portal do Arquivista está aberto para que os leitores enviem contribuições em forma de notícias, textos e análises. Entre em contato e saiba como!

O editor do Portal do Arquivista é também responsável por outras criações, como o Holmes, o detetive digital da Ciência da Informação.





Acervo Digital

11 10 2009

Blog interessante sobre Acervo, Memória, História, Identidade e Cultura Digital…

Acervo Digital





InfoBCI

11 10 2009

NORONHA, Daisy Pires; FUJINO, Asa. Teses e dissertações em ciências da informação: a multidisciplinaridade não revelada na avaliação da produção científica.  TransInformação, v. 21, n. 2, p. 7-22, 2009. Disponível em: < http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=687&article=283&mode=pdf&OJSSID=b3345b37638ab9035d5cc880248c2fe9 > Acesso em: 11 out., 2009.

Resumo:
Reflexão sobre o perfil da comunidade de pesquisadores em Ciência da Informação na ECA/USP, que emerge das análises de indicadores de formação e titulação do corpo docente dos programas de pós-graduação, em relação ao perfil temático das dissertações e teses orientadas. As linhas e os grupos de pesquisa cadastrados no CNPq são elementos de referência na categorização temática da produção científica da área. Partindo da hipótese de que ementas são elaboradas para acomodar interesses heterogêneos de pesquisadores e não refletem a produção da área, foi realizado estudo para analisar o conteúdo temático e objetos de análise das orientações efetuadas de 1999-2004 para avaliar sua pertinência em relação às linhas e grupos de pesquisa. Os resultados mostram uma gama de trabalhos de pesquisa de corpos teóricos diferentes, com novos temas incluídos no bojo da produção acadêmica que confirmam a multidisciplinaridade presente no programa mas, normalmente, não revelada plenamente nos estudos de avaliação dessa mesma produção, em função das categorias utilizadas para análise e apresentação de resultados.
Palavras-chave: produção científica; teses; dissertações; Ciência da Informação; avaliação.

OLIVEIRA, Marlene de. Grupos de pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.2, n.1, jan.-dez, 2009. Disponível em: < http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/view/15/37 > Acesso em: 11 out., 2009

Resumo
Resultados de pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico para estudar os grupos de pesquisa em Ciência da Informação (CI), cadastrados no Diretório dos Grupos de Pesquisa dessa agência. Os procedimentos metodológicos envolveram coleta de dados junto às bases do Diretório de Grupos de pesquisa e à base de currículos da plataforma Lattes do CNPq. Recorreu-se, também, às bases do sistema de acompanhamento da pós-graduação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Selecionaram-se três grandes categorias de análise: grupos de pesquisa; perfil do pesquisador; produção científica. Identificaram-se 103 grupos de pesquisa na base de dados referente ao ano 2004, analisados e distribuídos por região geográfica, perfil do pesquisador, temáticas estudadas e canais de comunicação utilizados. Os grupos de pesquisa na área não estão bem distribuídos. Há concentração no Sudeste e Sul do País. Os componentes dos grupos são integrados por doutores, mestres e bolsistas de iniciação científica. Os perfis dos pesquisadores concentram-se em bibliotecários com pós-graduação em CI. Há participação de graduados em outras áreas mas com pós-graduação em CI. Os temas mais pesquisados foram tecnologia da informação, organização do conhecimento, questões sociais e indústria da informação.
Palavras-chave: Pesquisa em Ciência da Informação; Grupos de pesquisa; Ciência da Informação.

FONTE:  InfoBCI